Continue amando… todos os dias!

Dizem que a paixão é cega. Que quando estamos inebriados neste estado não enxergamos nada além da perfeição.

Mas  em relacionamentos que duram mais de um verão ou um carnaval –  quem está nesse barco há de concordar –  esse sentimento vai se modificando e a gente passa a AMAR.

Mas o que é, exatamente, esse amor que faz casais permanecerem juntos por muito tempo, algumas vezes por uma vida toda?

Esse amor é interesse pelo outro, é importar-se, é a capacidade de se encantar, de continuar admirando, verdadeiramente, o outro, mesmo quando nosso olhar se torna mais lúcido e a gente passa a enxergar o outro como ele é, com suas qualidades e também com suas imperfeições.

O amor nos permite viver todo instante a empatia, porque naturalmente nos colocamos no lugar do par e procuramos compreendê-lo.

Só que o cotidiano torna difícil muitas vezes lidar com grandes e até mesmo com pequenas diferenças, é por isso que muitos relacionamentos terminam. Quantas vezes ouvimos por aí ou quem sabe já falamos: “mas quando você me conheceu, eu era exatamente assim e isso não te incomodava”.

Os relacionamentos que persistem passam por cima dessas diferenças, as vezes com humor, mas geralmente com AMOR, porque quando há amor, há interesse em entender o que se passa com o outro e por que ele age de tal forma, ou seja, há mais disposição para a tolerância e o  entendimento do que para o embate ou para vencer ou ter a razão na discussão.

O presente mais lindo que pode haver entre um casal é o conhecimento e a aceitação acerca do outro. Do outro que, possivelmente, é diferente da gente,  sim, afinal como dizem por aí “são os opostos que se atraem”.

Isso não quer dizer que devemos compactuar com aquilo que o outro faz e que fere o nosso modo de ser, quer dizer que temos de procurar entender o que se passa e, se dentro de nossa concepção o par deva ser ou fazer diferente em algum aspecto, termos o discernimento, a paciência de evidenciar isso a ele com amorosidade e de forma construtiva, não como uma exigência para que ele mude e seja igual da gente.

Amar é capacidade de fazer das diferenças algo construtivo e não caótico. O amor persiste quando há o interesse em crescer, em evoluir juntos e, sobretudo, quando cada um de nós se esforça para ser melhor para o outro, em vez de cobrar que o outro seja o avesso do que é em sua essência.

Nós investimos bastante em sermos melhores profissionais, mas pouco investimos em sermos melhores para nós mesmos e para os que nos cercam no âmbito pessoal.

Cada um de nós tem um perfil único de  comportamento. Nenhum é perfeito, porque o que é bom ou ruim, certo ou errado, é relativo para cada pessoa.

Quando presenteamos em datas especiais como o dia de hoje damos chocolates, flores, roupas, acessórios, jantares, utensílios, viagens. E tudo isso é delicioso. Mas nada disso vai adiantar por muito tempo se não houver o empenho, o interesse e a escolha diária em continuar enxergando o que o outro tem de melhor.

Continue amando…. todos os dias!

Marciele Scarton –  Palestrante e Coach de Realização Feminina